Wednesday, 28 October 2015

Aulas de Pré-Natal, Lições de vida

Se tornar mãe foi algo que eu quis e que planejei por bastante tempo. Quando se passa dos trinta, a probabilidade de “acidentes” e “surpresas”  nessa área são menores pois “dar uma escorregada” nos custa caro. Não estou dizendo que não acontece mas que as chances são menores, são!
Há duas semanas eu e o L começamos as aulas de pré-natal aqui na Inglaterra. Como eu não tenho experiência nenhuma com bebês concordamos que o curso do NCT seria uma boa opção para aprender e encontrar outros casais no mesmo barco...
A primeira aula foi boa e bastante instrutiva – o L achou a instrutora meio avoada mas enfim – a segunda aula, entretanto me deixou com um gosto agridoce na boca. Passamos mais da metade da aula discutindo o que iríamos perder ao termos filhos e a falar mal de bebês.
Sono, paciência, vida a dois, sexo, jantares à luz de velas, festivais, viagens, idas ao salão de beleza, o corpo.... e tantas outras coisas... a maioria dos casais no grupo já tinham um plano B todo arquitetado... quando a mãe viria para o casal poder dar uma saída, ou passar um final de semana juntos.
Olha eu não estou aqui querendo dar uma dfe super mãe, sem nem ser mãe oficialmente ainda! Mas a verdade é que nós dois não temos plano B nenhum. Nós estamos prestes a entrar na maior aventura das nossas vidas e decidimos concentrar as nossas energias nos ganhos porque ao que parece ninguém lembra deles:

-amor incondicional
-cartinhas de feliz dia das maes/pais
- abraços ansiosos e cheios de amor quando chegarmos do trabalho
-beijos e segredinhos que ficarão guardados em nossas memórias para sempre!
- e um monte de outras coisas que eu vou descobrir...
Sera que é tão mal assim?

Não me entenda mal eu não estou julgando ninguém, mas a minha perspectiva é completamente outra. Talvez a vida desses casais com táticas de fuga e já esperando o pior também não parem. Mas a diferença que eu vi entre eles e nós dois sentados, calados é a nossa habilidade de adaptação. Nós esperamos passar 6 meses sem botar o nariz para fora de casa.
Tudo vai levar mais tempo para acontecer e sim, teremos que ser muito mais organizados, mas eu prefiro acreditar que as nossas vidas serão transformadas para melhor também.
Talvez em um ano, quando eu reler esse poste eu esteja num daqueles momentos: “ai meu Deus aonde eu fui amarrar meu jegue” ... mas de uma coisa eu tenho certeza agora: eu não vou estragar esse momento da minha vida e tantos outros que virão com a chegada do meu bebê com lamúrias sem fim, e tentando arquitetar um jeito de escapar da prisão. Repetindo para mim mesma que ser mãe é padecer! Que bebês são chatos, máquinas de leite, fraldas e choro.  E que tudo vai ser ruim!
Eu sou tão grata por poder ter esse momento, tantas mulheres não podem. Eu sou tão grata por ter um companheiro como o meu tantas mulheres não tem suporte nenhum. Eu sou tão grata por ter uma família amorosa e irmãos e irmãs, e amigos que estão felizes por mim, por nós... tanta gente é sozinha nesse mundo.
Que sinceramente, eu não tenho tempo para ficar pensando em tudo que pode dar errado. Que venha as noites de insônia, irritação, mais cabelo branco, esgotamento físico e emocional, impaciência, briga com o marido porque ele não fez isso e aquilo e eu estou ESGOTADA... e quanto tudo se acalmar... que chegue a adolescência(!!)... sim nós pensamos nisso também!
Eu vou curitr cada pequeno momento de felicidade que a minha gravidez está me proporcionando, eu vou esperar ansiosa para ver o rostinho do filhote, eu vou namorar bastante e tomar muito suco de laranja a luz velas enquanto dá. Porque há uma regra sem exceção na vida: eu só posso viver um dia de cada vez. E o futuro? Eu vou fazer meus planos, mas o futuro ainda só pertence a Deus mesmo. 

4 comments:

  1. Meu Deus! Como me identifiquei com este post... mesmo nunca tendo sido mãe nem ter perspectivas de o ser.
    Beijos, muitos beijos... e tudo de bom!!! :)

    ReplyDelete
  2. Acho que os filhos não nos tiram nada. Muito pelo contrário só ganhamos com a entrada deles na nossa vida. Eu tenho 4 meninos que me moem o juizo todos os dias. Mas eu adoro cada segundo em que me moem o juizo. Não há nada como uma casa cheia de gargalhadas e risos.
    http://4reizinhos.blogs.sapo.pt/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ola Catarina! Passei la no seu blog e os seus meninos são lindos, parabéns :) Acredito que vc esteja certa, filhos acrescentam, fazem a vida mais rica, mas sim teremos noites de insônia, preocupação mas como vc disse haverá muita gargalhadas e risos também. Obrigada pela visita!!

      Delete

I love comments, they make my day. Let me know you stopped by.